No fundo da folia

9 março, 2010


Bom, o Carnaval oficial já acabou, teve muita gente se divertindo, muita cerveja, e… advinha onde foi parar tanta lata de cerveja?


Foto: Francisco Pedro – Mais aqui…

Notícia oficial: http://www.atarde.com.br/cidades/noticia.jsf?id=1413799


A ex-professora Jaqueline Carvalho, que foi demitida da escola em que trabalhava após dançarTodo Enfiado‘, é a nova dançarina da banda ‘O Troco’. A informação foi confirmada na tarde desta sexta-feira (11) pela empresária (perai, EMPRESÁRIA?! JA TA ASSIM?) da ex-professora.


Jaqueline e o vocalista Mário Brasil: a dupla voltará a atacar nos palcos

Com a repercussão de um vídeo que foi divulgado no Youtube com imagens de Jaqueline dançando a música, o cantor Mário Brasil a convidou para ser dançarina da banda. Depois de negociações quanto ao valor da contratação, Jaqueline resolveu aceitar a proposta nesta sexta-feira (11).

A pró alegou que tomou ‘dois litros de whisky‘ (perai denovo! 2 lts de whisky?! Essa mulher é uma esponja? um tonel? ou a reencarnação de algum bebum da escócia?) para dançar no pagodão

Ela será apresentada oficialmente como a nova dançarina da banda durante um show no Pier 41, na Ribeira, desta noite. Toda a renda do show será doado a Jaqueline, que até então estava desempregada.

Após a polêmica, a ex-professora recebeu convites para participar de programas em todo o país e está negociando cachê para posar nua. A empresária de Jaqueline confirmou que os valores com a revista masculina ainda estão sendo acertados, mas que um acordo virá em breve.

Fonte: CORREIO DA BAHIA | Foto: Evandro Veiga


Ontem eu publiquei aqui uma matéria sobre a professora que foi demitida porque estourou no Youtube um vídeo em que ela dançava a música “Todo Enfiado”.
No vídeo o cantor da banda O troco, Mario Brasil, levanta o vestido dela e estica a calcinha da professora até ficar totalmente enfiada em suas partes íntimas.
A moça das imagens é uma professora de matemática para crianças de 5 a 7 anos de idade que lecionava no Instituto Social Objetivo (ISO), no bairro de Brotas, em Salvador na Bahia.
O “sucesso” de vídeo chamou a atenção da diretoria do colégio que acabou demitindo a pró.
“Não tiro a razão da escola porque trabalho com educação infantil. Todo ser humano erra e estou arrependida. Não estava nas minhas condições normais. Consumia álcool”, confessou a educadora, de 28 anos de idade que é mãe de uma filha de 7, e que mudou forçadamente do próprio bairro por causa dos comentários.
“Aquilo foi só uma brincadeira, não faz sentido ela ter prejuízo por isso.” Comenta um dos integrantes da banda revoltado com a demissão da professora dançarina.

Agora… a putaria o video completo, enviado pelo Kuelho:

Vamos ver se a banda vai ter a honra de contratar a moça.

Caso o youtube tire do ar, use este!

Esse post é um oferecimento do Blog do Kuelho.


Uma professora baiana, apreciadora de axé pagode, foi demitida porque estava no ensaio da banda “O Troco” e aparece fazendo uma coreografia erótica da música “Todo Enfiado”. A história toda aconteceu na casa de shows Malagueta Hall, foi demitida do colégio em que trabalhava. Motivo: O vídeo foi parar no Youtube, a cidade toda começou a comentar, levando a diretora e os outros professores da escola a assistirem as peripécias da educadora. Não deu outra, mandaram a coitada pro olho da rua pra tristeza da maioria dos alunos. “Ela era muito descontraída e ensinava bem.” comenta um dos alunos.

Agora… o video:

Copiei do Blog do Kuelho


Salve amados caros leitores!

Nesse carnaval fui convidado para assistir o Palco do Rock, que está comemorando 15 anos de realização, e ao meu ver, de desrespeito ao proprio publico, calma, antes de xingarem o perdido, fecharem essa janela e jurar nunca mais ler esse blog, prestem atenção nos motivos e fatos:

Foi a primeira vez na minha vida que vi um grande festival de rock a céu aberto! Não tinha nem uma grade de proteção, nem entrada, nem revista, nem segurança, mal tinha policia, e ainda por cima tinha um conteiner lotado de lixo ao lado do palco, resultado disso: Assaltos dentro do festival, porrada e espancamento gratuito de várias pessoas, pessoas armadas, ameaças de morte, e por que não comentar o caso que ouvi sobre o cara que morreu esfaqueado a 2 anos atras no Palco do Rock, das centenas de pessoas que simplesmente não vão mais porque ja foram assaltadas, espancadas, ou simplesmente estão cansadas de ver a violencia provocada pela falta de cuidado dos organizadores desse evento, que mostraram como se fazer uma péssima distribuição de verba e por em perigo o publico.

Por mais das boas bandas que tocaram (nada contra as bandas, inclusive tudo a favor as bandas!), me senti meio chocado com tudo o que vi, parecia mais um show de axé do que de rock de tanta porrada que vi.

Depois os mesmos organizadores que jogam seu publico a mercer da violencia, dizem por ai que é dificil ter apoio ao rock em Salvador, CLARO! Com organizadores desse tipo quem gosta de apoiar? Melhor deixar a galera em casa do que botar na rua pra apanhar ou morrer.

Espero que a organização do Palco do Rock ponha a mão na cabeça, e comece a valorizar seu publico, comece a cuidar dos filhos do rock, pois para um evento que recebe verba do governo estadual e dos patrocinadores do carnaval de Salvador, não ha desculpas para tamanha falta de vergonha na cara, de deixar todos ao sofrimento e caus urbano.

S. D. and Rock’n Roll

29 julho, 2008


Ê saudade que da, da minha terra e da antiga vida, nessa época tão bem vinda. putz! Haja nostalgia.

No próximo final de semana, Brasília vai dispor do Festival Porão do Rock 2008, nada mais nada menos que um dos maiores festivais do gênero na América Latina, com anos de tradição, 21 bandas por dia, nacionais e internacionais, mais de 140 mil pessoas em média por Festival, 2 palcos, 2 dias, e muito, mas muito S. D. and Rock’n Roll.

É verdade que o Porão perdeu muito em qualidade ao passar dos anos, e que de um projeto cultural passou a grande empreendimento comercial, (principalmente com os 40 reais cobrados por dia este ano. Esqueceram que roqueiro é quebrado e pra poder pagar isso numa entrada tem que economizar o ano todo) mas hoje em dia, o que mais vale é a tradição, e justamente essa tradição que me faz extrema falta, afinal, não é atoa que chamam Brasília de a “Capital do Rock”.

E como ja era de se esperar, Salvador hoje é extremamente carente desse tipo de divertimento, é raro ter algum showzinho se quer de rock nessa metrópole, e quando tem, é mal localizado, caro e sem qualidade ou novidade sonora, sempre as mesmas bandas, no mesmo lugar longe, e você ainda paga de 10 a 20 reais pra assistir 3 bandas (pasmem) covers (pasmem novamente) mal ensaiadas e isso sem contar com a aventura para voltar pra casa, alem da violência, a meia noite praticamente não existe mais ônibus e pra piorar a lei seca ta ai.

Mas pra não tirar o brilho se é que se tem brilho do único fes… festi… ah! grande evento voltado para os pobres roqueiros que não tem pra onde ir o gênero, existe o Palco Rock, literalmente no meio do circuito do carnaval, não considero um festival, pois pelo espaço do evento, se couber 6 mil pessoas alguém vai morrer pisoteado, agora imaginem, você olha pra trás e vê praticamente todos os ícones do pagode e do axé em seus trios elétricos levados por 1 milhão de pessoas (quantidade mínima de turistas em salvador na época do carnaval) e ao mesmo tempo se humilha espreme e direciona os ouvidos para um simples palco montado no pior lugar e momento do mundo para se fazer um show de rock.

Pelo menos é grátis! Também vem com a policia baixando o sarrafo embutida, e o impagável preço de ter que ir embora justamente no meio da tribo que mais ”ama” os roqueiros e suas vestimentas negras.

Ô saudade Porão, ê saudade.

Divirtam-se por mim Candangos!

Muito S. D. and Rock’n Roll!