Salve amados caros leitores!

Nesse carnaval fui convidado para assistir o Palco do Rock, que está comemorando 15 anos de realização, e ao meu ver, de desrespeito ao proprio publico, calma, antes de xingarem o perdido, fecharem essa janela e jurar nunca mais ler esse blog, prestem atenção nos motivos e fatos:

Foi a primeira vez na minha vida que vi um grande festival de rock a céu aberto! Não tinha nem uma grade de proteção, nem entrada, nem revista, nem segurança, mal tinha policia, e ainda por cima tinha um conteiner lotado de lixo ao lado do palco, resultado disso: Assaltos dentro do festival, porrada e espancamento gratuito de várias pessoas, pessoas armadas, ameaças de morte, e por que não comentar o caso que ouvi sobre o cara que morreu esfaqueado a 2 anos atras no Palco do Rock, das centenas de pessoas que simplesmente não vão mais porque ja foram assaltadas, espancadas, ou simplesmente estão cansadas de ver a violencia provocada pela falta de cuidado dos organizadores desse evento, que mostraram como se fazer uma péssima distribuição de verba e por em perigo o publico.

Por mais das boas bandas que tocaram (nada contra as bandas, inclusive tudo a favor as bandas!), me senti meio chocado com tudo o que vi, parecia mais um show de axé do que de rock de tanta porrada que vi.

Depois os mesmos organizadores que jogam seu publico a mercer da violencia, dizem por ai que é dificil ter apoio ao rock em Salvador, CLARO! Com organizadores desse tipo quem gosta de apoiar? Melhor deixar a galera em casa do que botar na rua pra apanhar ou morrer.

Espero que a organização do Palco do Rock ponha a mão na cabeça, e comece a valorizar seu publico, comece a cuidar dos filhos do rock, pois para um evento que recebe verba do governo estadual e dos patrocinadores do carnaval de Salvador, não ha desculpas para tamanha falta de vergonha na cara, de deixar todos ao sofrimento e caus urbano.

Relato de uma Candanga…

5 setembro, 2008


Fui afortunada.. por um sorteio no mínimo suspeito, pra fazer um post sobre Brasília e Salvador. Peraaêeeeeee.. eu nunca fui em Salvador, fudeu!

Comecemos por Bsb, aliás essa eu conheço bem!

Capital federal, lugar onde a umidade do ar varia entre 2 e 90%, aqui todo mundo é velho, seja novo ou seja velho mesmo! É velho, velho e velho. Quando naum souber o q dizer, naum tiver o q dizer, ou lhe faltarem as palavras.. é infalível.. exclame! Veéeeeeii! Paradoxal… todo mundo conhece todo mundo, mas ninguém conhece ninguém na verdade.

Ao contrário dos outros centros metropolitanos, as favelas ficam longe, beeeem longe das mansões, e detalhe.. a passagem é R$3,00, a mais cara do Brasil! Tudo é longe, reto, amplo e limpo. Pelo menos onde os olhos da elite alcançam! (Perdido diz: Longe?! Tadinha, ela não mora em Salvador…)

Comprar pó é mais fácil q pão, e pra comprar “crack” você anda menos do que pra chegar a parada de ônibus…q aliás, também é longe! As ruas naum tem nomes, nem esquinas.. tudo é numerado W3, L2, 405, 913… bem sinalizada, placas pra todos os lados, só q analfabeto aqui tem menos mobilidade q tetraplégico.

Ao contrário do que se pensa, quem é de Brasília naum necessariamente é filho de senador, marajá, não vive em função de queimar índio em parada e nem espancar garçom (em Salvador). Os shoppings são a sensação, pq aqui naum se tem absolutamente NADA pra fazer.. ateh tem, mas um baladinha simplória não fica por menos de R$40,00, não mesmo!

As tribos urbanas são bem definidas. Diferenciadas por duas coisas básicas: música e grana! Pobre anda com pobre e ponto. Os playboys gostam das loiras siliconadas, e o resto.. se mata no cabeleireiro, na academia e nos centros estéticos ( q existem em maior quantidade do que igrejas e butecos). Não poderia deixar de fora os EMOS.. eles são responsáveis por Brasília ser denominada a “San Francisco brasileira” (aqui tem a maior concentração de gay por metro quadrado! FATO) (Perdido diz: O pessoal de Sampa vai contestar isso, né Vini? Pcc?..)

As crianças não brincam na rua, mas os carros param na faixa de pedestre. Brasília é cheia de dores e delícias; é o lugar onde vc demora meses pra fazer um amigo… mas vai tê-lo pro resto da vida. Onde vc naum vai conseguir respirar de tanta secura, mas vai pensar duas vezes antes de mudar, vc odeia hoje, e a manhã jah ama de novo e mais e mais!

Salvador…posso esculhambar?

Para ser sincera quando penso jah me vem a cabeça o pelourinho, a galera do rasta atrás do olodum (sem preconceitos.. eu USO rasta!) as baianas vendendo acarajés… o povo deitado numa rede… visão limitada seeeeii! Se bem q se vocês vivessem numa rede eu entenderia perfeitamente, pq calor dá uma lesêeera! Penso tbm em carnaval, Ivete Sangalo, Dorival Caymmi, Caetano Veloso, Gal Costa, até na podre da Pitty, que vamos combinar neah gente! (tem as manhas de cagar tudo q ela põe a mão!) Continuem produzindo a galera do axé.. vocês são bons nisso! Deixa o Rock pra gente! ;D

Transmissores de alegria, diversão… hospitaleiros. E vamos parar com isso de que baiano é preguiçoso, p0or que no fundo no fundo.. todo mundo é!

postado por Michelle, candanga perdida 1 dia em Salvador.

Perdido diz: Pra quem não sabe, parada é ponto de ônibus, e pagode é axé.

Se você tem alguma coisa pra dizer ao perdido ou contar, mande-me um e-mail: blogperdidoemsalvador@wordpress.com

S. D. and Rock’n Roll

29 julho, 2008


Ê saudade que da, da minha terra e da antiga vida, nessa época tão bem vinda. putz! Haja nostalgia.

No próximo final de semana, Brasília vai dispor do Festival Porão do Rock 2008, nada mais nada menos que um dos maiores festivais do gênero na América Latina, com anos de tradição, 21 bandas por dia, nacionais e internacionais, mais de 140 mil pessoas em média por Festival, 2 palcos, 2 dias, e muito, mas muito S. D. and Rock’n Roll.

É verdade que o Porão perdeu muito em qualidade ao passar dos anos, e que de um projeto cultural passou a grande empreendimento comercial, (principalmente com os 40 reais cobrados por dia este ano. Esqueceram que roqueiro é quebrado e pra poder pagar isso numa entrada tem que economizar o ano todo) mas hoje em dia, o que mais vale é a tradição, e justamente essa tradição que me faz extrema falta, afinal, não é atoa que chamam Brasília de a “Capital do Rock”.

E como ja era de se esperar, Salvador hoje é extremamente carente desse tipo de divertimento, é raro ter algum showzinho se quer de rock nessa metrópole, e quando tem, é mal localizado, caro e sem qualidade ou novidade sonora, sempre as mesmas bandas, no mesmo lugar longe, e você ainda paga de 10 a 20 reais pra assistir 3 bandas (pasmem) covers (pasmem novamente) mal ensaiadas e isso sem contar com a aventura para voltar pra casa, alem da violência, a meia noite praticamente não existe mais ônibus e pra piorar a lei seca ta ai.

Mas pra não tirar o brilho se é que se tem brilho do único fes… festi… ah! grande evento voltado para os pobres roqueiros que não tem pra onde ir o gênero, existe o Palco Rock, literalmente no meio do circuito do carnaval, não considero um festival, pois pelo espaço do evento, se couber 6 mil pessoas alguém vai morrer pisoteado, agora imaginem, você olha pra trás e vê praticamente todos os ícones do pagode e do axé em seus trios elétricos levados por 1 milhão de pessoas (quantidade mínima de turistas em salvador na época do carnaval) e ao mesmo tempo se humilha espreme e direciona os ouvidos para um simples palco montado no pior lugar e momento do mundo para se fazer um show de rock.

Pelo menos é grátis! Também vem com a policia baixando o sarrafo embutida, e o impagável preço de ter que ir embora justamente no meio da tribo que mais ”ama” os roqueiros e suas vestimentas negras.

Ô saudade Porão, ê saudade.

Divirtam-se por mim Candangos!

Muito S. D. and Rock’n Roll!