Andando pela cidade, dá pra ver a comunicação em massa da TranSalvador (Antiga SET, também conhecida como Serviço de Engarrafamento de Trafego, e é fato de que quando eles estão de greve a cidade flui mais) informando sobre a nova lei que obriga o uso de cadeirinha no banco traseiro para crianças de até 7 anos e meio, até ai tudo bem e muito bem!

O grande problema é:

Como ja citei em alguns posts, uma das coisas que logo se nota aqui em Salvador, é que “não existe lei de transito”, não existe pois os motoristas não seguem, e os responsáveis pela fiscalização não fiscalizam, vai desde mais da metade não saber o que é seta (ou sinalização como dizem aqui), passando pela grande maioria que fala “dias” no telefone enquanto dirige, o não uso de cinto de segurança, o esquecimento da função de uma faixa de pedestres até carregar 5 pessoas na carroceria de uma pickup, dirigindo sem cinto de segurança, tomando cerveja (conhecido como comendo água) as 12hs em uma terça (não festiva), cruzando a cidade toda. Dai eu me pergunto: Fazer essa campanha toda pra que???

Agora vejam um texto que recebi de um baiano, falando sobre os  motoristas baianos, que é uma pura realidade (é grande mas vale a pena):

Guia Rápido para Dirigir em Salvador

Robson Oliveira (baiano)
Vindo à capital da Bahia a passeio e tendo que se adaptar ao jeitinho baiano de dirigir, não se assuste. Em Salvador você verá atrocidades; você duvidará que o motorista que violentamente insiste em lhe expulsar da pista goza de boa saúde mental; você não entenderá como nós soteropolitanos, famosos no mundo por não se estressarem, nos transformamos em seres raivosos quando estamos ao volante. Não fazemos por maldade, guiamos preocupados apenas com o centro do universo, nós mesmos, os baianos, os piores motoristas do Brasil. As lições vão lhe ajudar no trânsito de Salvador.

1ª Lição: Faixas Inúteis. A pintura de faixas, quando existe, não serve para absolutamente nada. Nós não sabemos exatamente para que a via foi dividida em faixas. Passamos de uma faixa para outra, rodamos sobre as faixas “seguindo os pontinhos” como se não quiséssemos nos perder… e em qualquer curva preferimos a tangente, mesmo que a faixa ao lado esteja ocupada por algum “leso”. Acostume-se, esqueça as faixas, sinta-se livre.

2ª Lição: Parar Já. Paramos onde e quando precisamos; às vezes até ligamos o pisca alerta. Todos podem esperar um pouco. Na rua onde mal passa um carro, que diferença podem fazer cinco ou dez minutos parado até que “voinha” desça da casa de “mainha”? Se o carro da frente parar, tenha paciência, espere até que ele decida seguir ou, também é permitido, buzine alucinadamente para extravasar sua raiva, sabendo que não vai adiantar. Desconte no próximo, pare também onde e quando quiser, aqui pode.

3ª Lição: Setas Invertidas. Não temos idéia do que passava na cabeça de quem colocou aquelas luzinhas amarelas que piscam quando nossos filhos mexem naquela alavanca inútil que fica próxima ao volante. Às vezes acionamos sem querer a luzinha que pisca na esquerda ou na direita. Se desejamos ir para a esquerda, vamos, não importa se a tal luz amarela está piscando, muito menos se pisca do lado certo. Seta é coisa de carioca “isperto”, nós não precisamos de seta para guiar. Nunca sinalize em Salvador, você poderá desviar a atenção do baiano que vai ao seu lado.

4ª Lição: Meter o Terço. Metendo um terço do seu carro na frente do baiano que teria a preferência você automaticamente obriga-o a ceder em seu favor. Meta o terço em qualquer situação: em cruzamentos perigosos, ao entrar em vias rápidas, quando quiser passar à frente de algum otário, enfim, meter o terço lhe garante vantagem indiscutível. É possível que às vezes ocorra uma pequena batida, coisas da vida. Se bater saia do carro e comece a bater papo com o outro baiano. Vocês acabarão descobrindo que são parentes ou que têm amigos em comum: “Você num é irmão do Tinho? Não, sou primo. Rapaz, cê parece dimais com ele, é escrito e escarrado. Como tá Inha, cunhada do Tinho?”

5ª Lição: Emparelhar. Fique sempre ao lado de algum carro. Se ele acelerar, acelere também. Se reduzir a velocidade, reduza e permaneça “emparelhado”. Emparelhar deixa o baiano seguro. Vá juntinho, melhor seguir acompanhado. Se atrapalhar quem vem atrás não se avexe, quem quiser passar que passe. É isso mesmo, às vezes a oitenta por hora, ou a vinte, os baianos adoram andar emparelhados… e só Deus sabe o motivo.

6ª Lição: Dois Dedos. Dois dedos é a distância normalmente mantida por um bom motorista baiano do carro da frente. Colado, bem juntinho. Achamos que assim é possível aproveitar ao máximo o espaço disponível em nossas ruas. Outra vantagem em manter dois dedos do carro da frente é mostrar que estamos com pressa, que o carro da frente deve se apressar. Não importa se o motorista da frente não está atrasado como um bom baiano. O que importa é seguir colado. Não se perca, siga sempre a dois dedos do carro da frente.

7ª Lição: Fila é Para Otário. Em qualquer conversão, onde normalmente só caberia um carro, nós baianos fazemos a fila dupla, tripla, às vezes dá até para a quarta fila. Nunca espere o leso que está aguardando pacientemente a conversão, fila é para otário. Passe à frente, meta o terço, tome a preferência da conversão à força. Quem quiser que buzine.

8ª Lição: Buzina no Sinal Verde. Nós, baianos, há muitos anos disputamos o campeonato de acionamento de buzina após a abertura do sinal. Aguarde o sinal verde com as duas mãos prontas para acionar violentamente a buzina do seu carro. O recorde é de Toinho, irmão de Ninha, dois centésimos de segundo após a luz verde. Capriche na buzina, rápido, mesmo que você esteja sem pressa, mesmo que buzinar não faça nenhum sentido.

9ª Lição: Lixo no Carro Não. É, é isso mesmo que você forasteiro está pensando. Nos nossos carros baianos não pode ter lixo. Vai tudo pela janela: latinha de cerveja, fralda suja, palito de picolé, ponta de cigarro, garrafa pet. Somos muito asseados, lixo no carro não. Quem quiser que varra a rua. Acostume-se e, se do carro da frente for jogado algum objeto grande, desvie sem reclamar.

10ª Lição: O Retorno É Aqui. Nas ruas de Salvador é possível retornar em qualquer lugar. Gire o volante e, se couber, ótimo. Se não “deu jogo” dê uma rezinha rapidinha e complete a manobra. Quem quiser que espere ou se bata. Quem procura retorno é otário. Não se assuste de depois da curva der de cara com uma D20 atravessada na pista, manobrando para retornar a dez metros do retorno correto.

Boa sorte no trânsito de Salvador. Antes que eu esqueça: para dirigir em Salvador você não precisa, necessariamente, olhar para frente. Converse olhando sempre para o carona. Fale ao celular, leia, procure coisas no porta-luvas, enfim, descontraia, crie você mesmo suas regras de trânsito.”

Caos

9 setembro, 2009


Entrando no terceiro dia de terror em Salvador, até agora o governo diz que não precisa da segurança nacional (veja aqui), enquanto isso, hoje tem jogo da seleção e a cidade cheia de imprensa, nacional e internacional, dai eu me pergunto, a facção que se intitula Comissão de Paz e promove o caos vai ficar quieta?

Desde o dia 7 ja foram 7 ônibus incendiados, com e sem gente dentro, 6 módulos policiais atacados e alguns incendiados, além de vários pontos de troca de tiros entre polícia e ladrão, iniciados pelo ladrão por incrível que pareça. (notícia completa aqui)

Bom, juntando o transito quase caótico com essa violência no stop repentina e o S no inicio da cidade, to até pensando em mudar o nome do blog para “Perdido em São Paulo” ou “F$#!#@ em Salvador”.

Resumindo: Nesse verão, vá para o Recife, Fortaleza, João Pessoa ou até pro Rio de Janeiro.

Perdido em Salvador, direto do Bunker improvisado.

Eleição o mundo muda…

23 outubro, 2008


 

Aqui em Salvador ainda estamos em eleição, e como é de praxe em todo o Brasil, o prefeito só decide trabalhar nessa época, arrumando as vias e botando policia na rua, em 3 dias ja presenciei 3 cenas cotidianas da policia fazendo o que deveria fazer o tempo todo: prendendo bandidos e combatendo o crime, o que mais me chama atenção, é o novo método de blitz para pedestres (ou quase isso) que a PM-BA vem fazendo, em uma esquina, ficam de 4 a 8 policiais só observando o movimento, entrou na rua e tem cara de bandido? Ja ganha um tapa na cabeça e um “bacú” (revista) pra ficar esperto.

Ontem por exemplo, estava eu a caminho do trabalho, quando ví um policial correndo com uma pistola na mão apontada pra qualquer um que esteja na frente e gritando: “Para! para! paraaa! eu vou atirar!!!” E então prende um cidadão (o cidadão tinha quase 2mts de altura e no minimo uns 90kgs) que acabou de roubar a bolsa de uma senhora, uma das coisas que eu gosto em Salvador, é a sutileza da policia local, pra que pedir pra encostar no muro? Pra que falar educadamente pra ajoelhar-se? Se você ja sabe que aquele infeliz roubou mesmo, enfia a mão nele! Pois em menos de 10 segundos ja tinham 4 policiais ensinando ao infeliz que não se deve roubar ninguem (fiquei com pena da grade que recebeu varias cabeçadas do meliante), e apanhou até contar onde estava o seu comparsa que conseguiu fugir (e com certeza passou o resto do dia apanhando).

O meio termo de tudo isso, é que mesmo com uma policia agressiva, Salvador tem um nivel de criminalidade absurdo, de assaltos até asssassinatos, por droga ou só porque você está sendo assaltado e não tem nem 1 real pra dar pro assaltante.

Mas é isso ai, pelo menos agora, a prefeitura trabalha (até o dia 25 é claro, depois volta ao marasmo).

Dica do Perdido: Nunca ande com menos de R$10 em Salvador, ou então seja esperto como eu.

Festas.

14 julho, 2008


Ainda não tomei conhecimento de terra com mais feriados e motivos mais esdrúxulos possíveis para se festejar do que em Salvador.

Talvez seja essa a tomada que recarrega o bom humor desse povo, pois se uma folha cai no chão, ja pode virar motivo para festa, que na maioria das vezes, é absurdamente carinhosamente batizada de lavagem.

Quando conheci a famosa igreja do Bonfim, logo pasmei, não consegui naquele instante entender porque alguém levaria o dia todo para lavar aquelas escadinhas, vendo na televisão, imaginamos uma escadaria sem fim (como a escadaria da Penha no Rio), mas na realidade, são meros lances de escada, chega imaginei uma pessoa com uma escovinha de dentes na mão pra lavar aquilo, ai sim levaria um dia todo pra isso.

Mas o que a televisão não mostra, é a festa que rola em torno da escada, ficando a escada somente como desculpa pra festa, antes de vir a Salvador, achava eu que essa era a unica “lavagem” daqui, mas estava errado, até aonde não se tem o que lavar, se inventa uma lavagem, lavagem da casa de Fulando, do caro de Ciclano…

Tanto no Carnaval como no São João, a cidade para, pessoas chegam ao absurdo de pedir demissão de empresas mesmo estando em um cargo promissor ou cobiçado, caso a empresa não dê o recesso (que é de uma semana), escolas fechadas, férias quase forçadas, aquela metrópole agitada, engarrafada todos os dias, vive assim uma semana de solidão durante o São João, e uma semana de farras mijo, sujeira, violência, abusos no Carnaval.

E ta ai outra coisa que a televisão não mostra, a violência do carnaval de Salvador, e essa violência é gerada pela policia em sua maioria, o que chama mais atenção, é uma linha, “desenhada” no circuito do carnaval, de passeio e uso exclusivo da policia, se você se quer pisar nessa linha, seja você, branco, negro, japa, mulher, eunuco, albino, grávida, gringo, com certeza você vai apanhar, e é melhor apanhar calado, se não vai preso, então nem no carnaval tão prestigiado, em Salvador você esta a salvo.

É por essas, outras, algumas e mais outras que eu amo ficar em casa.