[abreaspas] Perdido diz: Putz! Nunca demorou tanto pra se fazer um post! hehehe. Eu ainda fiquei na duvida de postar em duas partes, mas deixamos como está, demorou, mas saiu um livroooooo; detalhe de que o tachado é o post.”[fechaaspas]

Então, resolvi aceitar esse desafio de colaborar aqui no Perdido fazendo um post sobre Salvador e o que eu (pouco) sei sobre Brasília.

Na verdade não me faltam assuntos sobre Salvador… e taí o problema, não me faltam, sobram! Mas como sei que muitos deles estarão digitados aqui em breve… vou adiantar o reggae*, meu lado e o texto.

Sendo assim a primeira observação que faço é sobre a simpatia dos soteropolitanos. É bonito ver como aqui as pessoas são e podem ser mais alegres, mais leves com a vida. Tudo bem que o cenário ajuda bastante, mas é como se todos soubessem que engrandecer os problemas não ajuda muito e só ocupa a mente e o fim-de-semana.

Pois é, simpatia, solidariedade… dá até gosto pedir informação na rua, acho que é o único lugar no mundo (fora as cidades pequenas que não têm tanta coisa interessante pra se fazer…), que uma pessoa é capaz de desviar do próprio rumo pra ajudar outra a encontrar seu objetivo.

Isso se deve também a um relativo nível de (futricagem) curiosidade. São essas mesmas pessoas que em uma hora de conversa se tornam seus melhores amigos, no dia seguinte estão dormindo na sua casa, na semana que vem pedindo dinheiro, roupa, mulher, marido, cachorro ou a po**a toda (como dizemos carinhosamente por aqui) emprestados. E nem é por mal, é por bem mesmo ou simplesmente pelo fato do baiano ser um ser sociável (em sua maioria).

Característica que me remete instantaneamente à malandragem baiana… no modo de se portar, de paquerar (uma dica para as mulheres, se estiver no reggae** e sorrir um pouco mais efusivamente para um cara, mesmo que não seja com segundas intenções, fud*u, pode apostar que em 5 segundos tem um maluco te dizendo mil e uma frases “criativas” ao pé do ouvido, tipo: “Seu burro tá na sombra?”), de levar a vida, de trabalhar… Tal como nossos dialetos: “é barril, véi”, “queimação, papá”, “se chegue não, vú”, “tô de cara!”, “bala!” e o tão famigerado “massa” (usado pra tudo!), “E o acarajé? Massa!”,  “Gostou do show? Massa!”, “Vamos passear? Massa!”, “Perdi tudo, velho… Massa!.

Resumindo, Salvador é terra de alegria, do carnaval também (e nem precisa de comparações com Recife e demais cidades, são energias e perspectivas totalmente diferentes, só vivenciando pra ter noção), da diversidade musical (que vai além do Axé, já que nós estamos cada dia mais abertos – lá ele*** – a novos segmentos musicais, seja o dub com percussão, ao rock com ragga, ao reggae com riff’s engajados, sem esquecer da nossa cultura regional), da variedade artística (são mais de 30 teatros na cidade, com artistas e peças de muita qualidade, algumas poucas salas de arte, alguns cinemas principais, um circo de tradição e outros de passagem…), dos dias insuportavelmente quentes, da pouca valorização dos profissionais em geral, das noites que acabam cedo, dos engarrafamentos gigantes em dias chuvosos, das festas de camisas coloridas e por aí vai.

Mas mudando de SSA para BSB, que há alguns anos atrás pra mim era somente a sigla de BackStreetBoys e nada mais que isso (0_0)… o que primeiro vem na minha cabeça é: POLÍTICA (assim em caixa alta mesmo). E aí segue… planalto central, diretas já, ditadura, Lula, poeira, Niemeyer, asfalto liso, cidade plana, rock, Renato Russo (que é carioca!), organização, concurso público, dinheiro… e só. Admito que meu conhecimento sobre o Distrito é quase zero e talvez por isso tenha vontade de conhecer a cidade… pelo menos lugar pra ficar já sei que tenho né, hehehe.

Por Larissa Oliveira. 

Legenda:
*Reggae: processo, situação
**Reggae: rock, night, balada
***Lá ele: Lá nele, em mim não.

Relato de uma Candanga…

5 setembro, 2008


Fui afortunada.. por um sorteio no mínimo suspeito, pra fazer um post sobre Brasília e Salvador. Peraaêeeeeee.. eu nunca fui em Salvador, fudeu!

Comecemos por Bsb, aliás essa eu conheço bem!

Capital federal, lugar onde a umidade do ar varia entre 2 e 90%, aqui todo mundo é velho, seja novo ou seja velho mesmo! É velho, velho e velho. Quando naum souber o q dizer, naum tiver o q dizer, ou lhe faltarem as palavras.. é infalível.. exclame! Veéeeeeii! Paradoxal… todo mundo conhece todo mundo, mas ninguém conhece ninguém na verdade.

Ao contrário dos outros centros metropolitanos, as favelas ficam longe, beeeem longe das mansões, e detalhe.. a passagem é R$3,00, a mais cara do Brasil! Tudo é longe, reto, amplo e limpo. Pelo menos onde os olhos da elite alcançam! (Perdido diz: Longe?! Tadinha, ela não mora em Salvador…)

Comprar pó é mais fácil q pão, e pra comprar “crack” você anda menos do que pra chegar a parada de ônibus…q aliás, também é longe! As ruas naum tem nomes, nem esquinas.. tudo é numerado W3, L2, 405, 913… bem sinalizada, placas pra todos os lados, só q analfabeto aqui tem menos mobilidade q tetraplégico.

Ao contrário do que se pensa, quem é de Brasília naum necessariamente é filho de senador, marajá, não vive em função de queimar índio em parada e nem espancar garçom (em Salvador). Os shoppings são a sensação, pq aqui naum se tem absolutamente NADA pra fazer.. ateh tem, mas um baladinha simplória não fica por menos de R$40,00, não mesmo!

As tribos urbanas são bem definidas. Diferenciadas por duas coisas básicas: música e grana! Pobre anda com pobre e ponto. Os playboys gostam das loiras siliconadas, e o resto.. se mata no cabeleireiro, na academia e nos centros estéticos ( q existem em maior quantidade do que igrejas e butecos). Não poderia deixar de fora os EMOS.. eles são responsáveis por Brasília ser denominada a “San Francisco brasileira” (aqui tem a maior concentração de gay por metro quadrado! FATO) (Perdido diz: O pessoal de Sampa vai contestar isso, né Vini? Pcc?..)

As crianças não brincam na rua, mas os carros param na faixa de pedestre. Brasília é cheia de dores e delícias; é o lugar onde vc demora meses pra fazer um amigo… mas vai tê-lo pro resto da vida. Onde vc naum vai conseguir respirar de tanta secura, mas vai pensar duas vezes antes de mudar, vc odeia hoje, e a manhã jah ama de novo e mais e mais!

Salvador…posso esculhambar?

Para ser sincera quando penso jah me vem a cabeça o pelourinho, a galera do rasta atrás do olodum (sem preconceitos.. eu USO rasta!) as baianas vendendo acarajés… o povo deitado numa rede… visão limitada seeeeii! Se bem q se vocês vivessem numa rede eu entenderia perfeitamente, pq calor dá uma lesêeera! Penso tbm em carnaval, Ivete Sangalo, Dorival Caymmi, Caetano Veloso, Gal Costa, até na podre da Pitty, que vamos combinar neah gente! (tem as manhas de cagar tudo q ela põe a mão!) Continuem produzindo a galera do axé.. vocês são bons nisso! Deixa o Rock pra gente! ;D

Transmissores de alegria, diversão… hospitaleiros. E vamos parar com isso de que baiano é preguiçoso, p0or que no fundo no fundo.. todo mundo é!

postado por Michelle, candanga perdida 1 dia em Salvador.

Perdido diz: Pra quem não sabe, parada é ponto de ônibus, e pagode é axé.

Se você tem alguma coisa pra dizer ao perdido ou contar, mande-me um e-mail: blogperdidoemsalvador@wordpress.com