Perdido Responde.

1 outubro, 2008


Comentário que chegou pra mim:

“Oi, tudo bem!
Meu comentário não tem nada a ver com o seu texto, por isso espero que não fique ofendido.

O que ocorre é que sou paulistano e estou pensando em pedir remoção para Salvador (sou concursado).
Tenho 27 anos, solteiro e sem filhos (e pretendo continuar assim), e tenho algumas dúvidas sobre a cidade:

1- Qual o custo de aluguel e condominio de um ape de 2 dormitorios por aí?  Não precisa ser exato, uma noção aproximada ja está de bom tamanho.
[classe média= R$350-R$500, classe alta= R$800-R$2.000, classe baixa= R$250-R$300, favela= “cenzin resorve tudo mo pá”]

2- O povo é receptivo? É fácil fazer amigos e conhecer gente em geral?
[Cara, ja leu os primeiros posts do blog? Eu nunca soube de povo tão receptivo e caloroso, e também verdadeiros! Se você estiver na merda, eles vão pra merda com você só pra te ajudar]

3- O que acha da mulherada?  São bonitas, gostosas e acessíveis?
[você ja viu cidade litorânea sem mulher gata? Ja viu cidade Turística sem mulher gata? É claro que são maravilhosas… leia alguns posts aqui que você vai entender melhor, procure o dia do orgasmo]

4- A cidade é muito violenta?
[Meu, tu mora em Sampa meu, mais violento que ai acho que não tem não… rs.. Falando sério, cara, Salvador é violenta como qualquer outra grande metrópole, claro que não muitos assaltos em sinal de transito (raros até), mas a violência impera na rua mesmo, não tanto quanto Sampa e Rio, mas dependendo do lugar onde você esta, nem pense em tirar o celular do bolso, ou muito menos andar em certos lugares depois das 20hs, tirando isso, o grande problema são os assaltos a ônibus, mas quem vem de carro não corre este risco. Mas nada que dê medo de morar aqui não, aqui ainda não aprenderam a assaltar um condominio inteiro.]

5- No geral, você gosta de morar em Salvador? Acha que no nordeste há cidades melhores e mais legais?”
[Bom, deixe-me pensar, eu to aqui a mais de 1 ano, a cada dia descubro algo novo, me surpreendo com a cultura diferenciada, a cerveja é a metade do preço comparado a Bsb ou Sampa, o custo de vida é a metade comparado ao Sudeste e Centro-oeste inteiro, as pessoas são verdadeiras e receptivas, engordei como um boi, a praia é limpa e não é lotada, os surfistas não batem em haulli, pelo contrario, te chamam pra surfar (mas eu ñ surfo pq não sei), tem 3560 lugares para se ir ao final de semana ou qualquer outro dia, ja que na bahia todo dia é dia de festa, é… eu gosto de morar em Salvador sim!
E realmente, no nordeste, tem lugares N vezes melhores que Sampa, Rio, Bsb, Minas, etc… Aqui ainda se vê vegetação, aqui ainda se acredita na palavra do homem, aqui ainda ha respeito com o proximo, aqui meu amigo, é o lugar que eu escolhi pra viver melhor.]

Hospitalidade tem preço.

11 agosto, 2008


Quem disse que a hospitalidade dos baianos é degraça?
Acostumado com os preços de Brasília, ao sentar em uma barraca de praia em Salvador, pedir uma cerveja e pagar somente R$1,80 por ela “não tem preço”, é quando você pensa: “essa vista maravilhosa e a cerveja a metade do preço dos botecos de Brasília vai me deixar bêbado, eu quero ficar bêbado”, mas isso só aconteceu comigo pois não fui eu quem pedi a cerveja, e sim meu padrasto, um nativo com sotaque e cara de Sotéropolitano, logo não aguentei e comentei com ele o valor tão “simbolico” pago pela cerveja, e ele disse nun tom de sarcasmo: “amanhã vamo pa outra praia e cê pede a cerveja, eu quero é prova de que vai ser esse preço” . Dito e feito.

No dia seguinte, fomos a outra praia, não muito longe da que fomos na tarde anterior, chegamos, e eu abri a boca:

– Boa tarde! Tem Skin?
(ela assinala com a cabeça)
– Quanto custa?
– R$3,50.
– Pô! Na praia ali do lado é R$1,80!
– Oxi! To sabenu disso não senhô, na minha barraca sempre foi esse preço e nunca ouvi recramação.
(meu padrasto interrompe.)
– Colé mãe! Ta me achando com cara de turista é? Ó paí! Ta querênu me robá é? Se fizé até R$2,00 eu pago, se não agente levanta.

Ela vira as costas e vai buscar a cerveja. Incrível! Se eu estivesse sozinho ia pagar o preço de uma Bohemia em Brasília, só pelo meu sotaque de turista e minha cara perdido.

Depois disso fui testanto em outros lugares, a cocada que custa de R$0,50 a R$1,00, pra mim era oferecida a R$2,00, o acarajé de R$2,00 pra mim era R$5,00, até a Coca-cola ficou absurdamente cara pelo meu sotaque.

Agora pagar barato tem outro preço, depois da primeira, a segunda vai demorar anos pra chegar, a ponto de você ter de levantar e ir buscar, ou então reze pra não haver nenhum turista na mesma barraca que você, o atendimento dele é preferencial, o seu não faz a minima diferença pra eles.

E lá estava eu, roubado perdido em Salvador…