Garra.

24 julho, 2008


Após a saída do velho cansado, sobe ao onibus outra figura do cotidiano, mas uma figura nova, um cego, mas ele não está lá para pedir dinheiro, nem menos acompanhado de alguém, e sim somente ele, com seu óculos, uma bengala branca e uma mochila vertical, ele usa seu tato para se acomodar em algum lugar onde não caia com a arrancada do cavalo que parece carregar pacotes de carne motorista, e anuncia que está vendendo canetas com calendário, mas o fez normalmente, sem dizer em momento algum que é cego, que passa dificuldades por isso ou que tem de ser ajudado para sobreviver, ele simplesmente anunciou seu produto, disse o preço, e pediu que quem se interessasse o chamasse que ele iria até a pessoa, e ele realmente era cego, pois o óculos estava desencaixado, e deu pra ver o que seriam os olhos (quase sem a retina) dele.

Depois da cena reflexiva do velho cansado, mais uma cena que nos faz parar e pensar por muito tempo, sobre a força de vontade e a garra das pessoas, sobre a limitação que muitas vezes impomos a nós mesmos, para disfarçar nossa preguiça ou o medo de olhar a vida de frente sem medo (como algumas pessoas tem esse medo).

É… hoje é dia dos “tapas na cara” que a vida dá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: